Social icons

depois do verão...

15 novembro 2018

O balanço final do desafio. Foi em Janeiro que tudo começou. Experimentei a nova Phillips Lumea pela primeira vez no início deste ano e utilizei-a até ao verão, altura em que fiz um pausa no tratamento. Agora que o outono se instalou oficialmente e que — bem — voltei a assumir o compromisso com o verão do próximo ano, voltei a aliar-me a esta maravilha-de-ter-por-casa e queria partilhar tudo com vocês. Meninas, prestem atenção!


Se me acompanham por aqui há algum tempo, estarão lembrados do primeiro artigo que publiquei, com as primeiras impressões da nova Philips Lumea e do desafio que me foi proposto. Fiquei radiante com as novidades e mal podia esperar para ver resultados. Mostrei-vos alguns updates do tratamento num segundo post, em Maio, por altura dos primeiros dias quentes de sol. O verão avizinhava-se próximo e eu já começava a ver resultados muito positivos depois de seis sessões. Aqui já considerava o investimento no produto como uma das melhores decisões que se podia tomar. Afinal, contas feitas, e ao fim de seis sessões já estava o valor da máquina coberto por qualquer outro pagamento num sítio fora de casa.



Até então, tinha testado todas as técnicas disponíveis no mercado. Depilação a cera, a luz pulsada, a laser, etc. Já para o fim — e assumindo que a cera é desnecessariamente dolorosa — acabei por comprar alguns pacotes de luz pulsada. Mas a logística de conciliar agenda, marcar e remarcar, ter que disponibilizar tempo e gasolina para ir até ao sítio em questão, comprar mais e mais pacotes, não estava a ser um bom investimento. Para alguém como eu (a ser franca, imagino que sejam todas vocês), que procura ver-se livre dos pêlos indesejáveis da forma mais rápida, segura e indolor, a compra da Philips Lumea IPL acaba por ser o melhor investimento a longo prazo.

Desde que experimentei a Lumea que a luz pulsada assumiu um outro compromisso no meu dia-a-dia, sendo quase encarado como um desafio. Eu estou no controlo e eu faço à minha maneira...

Num terceiro post, publicado em Junho, falei-vos um pouco da minha experiência até então e dos resultados maravilhosos que tinha conseguido com a utilização da máquina — com direito a video e tudo!

  


Em Julho confesso ter colocado o tratamento em standby. Apenas por uma questão de logística e rentabilização de tempo — já que o passava praticamente todo ou a trabalhar ou na rua. As idas à praia começaram a ser rotina e já me sentia super confortável com os resultados. As pernas e axilas reagiram super bem e consegui estar a temporada do verão sem me preocupar nem um bocadinho. 

Porém, ao contrário dos outros tratamentos em clínicas, será de referir que podem utilizar a Lumea mesmo durante o verão, conciliando com o sol e idas à praia, desde que mantenham os devidos cuidados.

Agora que o verão passou vou retomar os tratamentos, mais espaçados (embora ainda não os considere 'manutenção'), para concluir as sessões. A zona do rosto, para mim a mais sensível e dependente das alterações hormonais, precisa ainda de um push extra. Quanto ao tratamento das outras zonas (que ficaram por tratar por opção, nomeadamente virilhas), vou iniciar também agora no inverno. Conto ter resultados daqui a uns meses, sobretudo sabendo que — por experiência — são zonas que reagem super bem.
  


Em suma: a Philips Lumea IPL é um sistema de depilação por luz pulsada, para ser manuseado pelo utilizador no conforto de sua casa, que oferece uma solução eficaz e indolor no tratamento dos pêlos indesejáveis. Oferece uma redução de até 92% dos pêlos em apenas 3 tratamentos (e eu posso comprová-lo!), e ainda dispõe e um gama de acessórios com design exclusivo para obter melhore resultados consoante a área do corpo. Além disso vem ainda provida de um sensor SmartSkin que nos indica qual a melhor regulação para o nosso tipo de pele e tom de pêlo. 

A máquina, aliada à app exclusiva da marca — que pode ser descarregada do ITunes ou do Google Play — permite-nos fazer um tratamento simples e rápido, que potenciará os resultados ao fim de cada sessão.


A título pessoal, posso-vos dizer que a única dificuldade [pequenina] que senti foi meramente relacionada com a minha técnica (já que a máquina tem uma utilização super simples!). Ou seja, conseguir fazer a passagem da luz pulsada por toda a área a tratar, sem repetir zonas, cobrindo-a 100%. Mas isso também se afina ao fim de duas sessões. Começamos a criar estratégias para criar um método de passagem fácil e eficaz, começando numa ponta e terminando na outra. Em tempos vi algumas reviews que sugeriam utilizar um lápis branco (daqueles de maquilhagem) para delimitar as zonas a tratar mas a verdade é que consegui orientar-me sem recurso a nenhuma outra técnica, sem lápis, nem nada. E agora estou pró! De resto, não senti dor, nem desconforto, senti-me sempre muito segura na utilização da máquina, por causa do sensor smartskin e do facto de o disparo só ser feito quando este está completamente em contacto com a pele  e estou mesmo muito feliz com os resultados.

E vocês, pensariam em adoptar esta alternativa na vossa rotina de cuidados de pele?

2 comentários

  1. Assim sendo, é um utensílio que dá bem jeito!

    ResponderEliminar
  2. Que bom!!! Eu adquiri a minha em Maio - já fui tarde para o Verão deste ano mas vou esta semana retomar a rotina e espero conseguir resultados! ☺️

    ResponderEliminar