Social icons

OH PORTO #2

05 janeiro 2017

O almoço no Cantinho do Avillez. Depois de nos instalarmos na Rua da Cedofeita, o nosso destino estava com mesa marcada no nº 166 da Rua de Mouzinho da Silveira, num edifício bonito, reluzente e ainda primorosamente decorado para o Natal. Só esperávamos coisas boas deste cantinho — depois da experiência sem par no Bairro do Avillez — e as nossas expectativas não sairam goradas. Foi uma verdadeira maravilha!




O primeiro dia no Porto não podia ter tido melhor estreia. Confesso que, depois da experiência deliciosa com a minha irmã no Bairro do Avillez, estava ansiosa por conhecer o Cantinho do Avillez — e a visita ao Porto surgiu como oportunidade perfeita. Marcámos mesa com antecedência, para um almoço a dois, e depois de nos instalarmos no apartamento seguimos até ao restaurante.



Assim que chegámos, deparámo-nos com uma fachada bonita, com as montras iluminadas e ainda bem natalícias. Lá dentro, um espaço aconchegante e acolhedor, quente e aromático. A sala estava praticamente cheia, o que só nos mostrou que a reserva é mais do que aconselhável, mesmo ao almoço.




Cantinho do Avillez
o mais carismático do porto

Ao contrário da experiência no Bairro, o Cantinho é um espaço mais pequeno e, por isso, um pouco mais intimista mas, ainda assim, muito descontraído. É perfeito para uma refeição a dois ou para juntar um grupo simpático de amigos. O ambiente é perfeito para uma ocasião especial e convida à celebração.




O espírito que se sente é o de uma casa portuguesa, com vários elementos típicos e tradicionais da cultura lusitana. Alia a essência genuína do antigamente, como o uso de louças variadas, peças esmaltadas e cadeiras de madeira, todas diferentes, ao requinte essencial  de um espaço destes, exigido nos dias de hoje. 

O atendimento é jovem, cordial e eficiente. À chegada fomos logo encaminhados para a nossa mesa junto ao grande sofá corrido, no canto da sala — adoramos as mesas do canto — e instalámo-nos sem demoras. Não tarda tínhamos a ementa à nossa frente e a difícil decisão de escolher o que pedir.




Aceitámos, antes de mais, um bom copo de vinho tinto JA (falei-vos dele em sugestão de Natal por aqui) que foi uma óptima descoberta; leve e doce q.b, frutado e perfeito para acompanhar uma boa refeição e brindar a mais um passeio pelo Porto. 

Como sempre fomos guiados pela sugestão de quem nos recebeu. Para entradas pedimos os Nuggets de Bacalhau com maionese de alho e cebolinho, que estavam muito saborosos e as Vieiras marinadas, com creme de abacate e crumble de pão alentejano, que estava simplesmente divinais — foram mesmo dos meus pratos preferidos da refeição.



Para dar continuação à refeição, ele optou pelo Bife Tártaro com batatas NY — eu provei (obviamente) e posso dizer que estava mesmo muito bom, com os temperos no ponto certo e nas devidas proporções — e eu pedi o Risotto de Vitela que, para mim, foi o creme de la creme, primeiro porque adoro risotto e segundo por este estava delicioso, com tudo no sítio e numa dose generosa.



Claro está que a refeição tinha que ser fechada com chave de ouro e como eu tinha ficado perdida de amores pelo ex-libris do Chef Avillez — a sobremesa Avelã que vos falei aqui — foi exactamente essa a minha escolha. Ele acabou por pedir a Panna Cotta de baunilha com coulis de framboesa, que estava soberba e tinha aquela acidez necessária para encerrar tudo como se de um gran finale se tratasse.




Dois dedos de conversa e dois cafés depois, demos por terminado este almoço magistral, que foi uma estreia autêntica para ambos, e saímos de lá de mãos dadas, ansiosos por explorar mais uma vez a cidade e desejosos de voltar ao Cantinho do Avillez, um dia.

Para já fiquem com este relato guloso, que inocentemente procura aguçar-vos a curiosidade de irem lá, numa ocasião especial, quem sabe?

Amanhã voltamos com mais um post sobre a nossa estadia no Porto; levamo-vos até ao Palácio da Bolsa e partilhamos alguns recantos engraçados.

Cantinho Avillez
Rua Mouzinho da Silveira, 166 Porto
Todos os dias
Das 12h30 às 00h

Enviar um comentário