Social icons

CACHORRO À PORTUGUESA

05 novembro 2016

Pois claro, com certeza! No Príncipe Real encontrámos mais uma pérola escondida, daquelas deliciosas demais para não serem partilhadas. Chama-se Cachorro à Portuguesa e serve cachorros generosos, saborosos e cheios de carisma lusitano. Além disso, o espaço e os detalhes que o compõe são um máximo. Onde já se viu as ementas serem caixas de VHS ou a cerveja ser servida em canecas de esmalte? 


Foi numa sexta-feira e os amigos iam actuar no Bairro Alto nessa noite. Queríamos jantar nas redondezas e resolvemos marcar mesa no Cachorro À Portuguesa. Porque, já se sabe, às sextas Lisboa inteira concentra-se no Cais, no Chiado ou Príncipe Real. Só dessa forma garantíamos uma mesinha à nossa espera. E assim foi.



um oásis na cidade... por enquanto!

Qual não foi o nosso espanto, encontrámos um restaurante amplo, muito bonito e sem confusão nenhuma — acreditem, tínhamos visto filas e filas de pessoas sequiosas para jantar pelos botecos do Príncipe Real fora. Ou seja, este Cachorro À Portuguesa só poderia ser um verdadeiro oásis. Talvez por ser um espaço muito recente, ainda não muito divulgado [...] o melhor mesmo é apressarem-se a conhecê-lo, que não tarda terão que enfrentar um batalhão de gente à espera de mesa. O clássico de uma sexta à noite na cidade.




Fomos muito bem recebidos e entre sorrisos indicaram-nos a nossa mesa. Não tardámos em fazer o pedido, depois de admirar os pormenores engraçados (como a ementa estar impressa numa caixa de cassete VHS — how cool is that?). 

A escolha da cerveja artesanal para ele seria óbvia e a Saudade não desiludiu; uma cerveja muito boa, fresca e equilibrada. Pedimos um "enquanto espero" e uns pickles caseiros deliciosos. Só assim para abrir o apetite...




Dois cachorros à portuguesa
para a mesa do canto...

Chegaram sem demora dois cachorros à portuguesa; ele pediu o Mania do Bacon e eu optei pelo Bitoque, com ovo escalfado. Provei do dele (óbvio!) e gostei muito, mas tenho que confessar que não podia ter ficado mais contente com a minha escolha. O ovo escalfado estava no ponto e ligava super bem com a salsicha caseira de porco e maionese de alho. Estava mesmo uma delícia! 

Fiquei com pena de não ter pedido a batata doce para acompanhar; pelo que vi noutras imagens tinha um aspecto de comer...e chorar por mais! Para a próxima não me escapa.



O remate final ficou a cargo de duas deliciosas sobremesas. Uma espuma de pastel de nata — imperdível — e uma mousse de chocolate caseira. Ambas as sobremesas estavam muito boas, doces q.b e aquela interpretação do pastel de nata num frasquinho fez-me a cabeça. Era mesmo perfeita! Ainda assim, em verdade vos digo, se soubéssemos que as sobremesas seriam assim tão bem servidas tínhamos pedido apenas uma para partilhar. É que estávamos mais do que satisfeitos (os cachorros são muitíssimo generosos e fome não vão passar, é garantido).


 

Depois da refeição magistral, enquanto pedimos os cafés, fiquei a admirar o espaço. É impossível não o fazer. As cadeiras originais, os pontos de luz suspensos um ritmo engraçado, as mesas de mármore, o mosaico hidráulico — tudo combina muito bem.

vamos juntar os amigos?

A sala é bastante ampla e tem muitas mesas, algumas delas bem grandes. É, por isso, perfeito para um jantar de grupo em Lisboa. Da próxima vez que quiserem juntar os amigos, num espaço giríssimo, com uma carta variada e com preços muito simpáticos, o Cachorro À Portuguesa é mesmo a escolha perfeita.



Uma curiosidade: os candeeiros são muito mais do que simples pontos de luz. São, no fundo, parte da essência do restaurante. Quando queremos pedir alguma coisa basta que apaguemos a luz por cima da nossa mesa. Dessa forma virá alguém anotar o nosso pedido. Afinal, no Cachorro À Portuguesa os clientes não são deixados às escuras!

Foi uma experiência divertidíssima e, acima de tudo, deliciosa. Quando alguém me perguntar por sugestões de sítios para jantar em Lisboa, este estará no topo da lista.


Cachorro À Portuguesa
Rua São Marçal, 111, Príncipe Real
Segunda a Domingo
Das 12h às 24h

Enviar um comentário