Social icons

¡HOLA MADRID! #5

02 junho 2016

O último dia em Madrid, o drama do cartão multibanco e o passeio pelo El Retiro. Faltavam-nos duas coisas a fazer na cidade antes de partirmos. Uma conseguimos fazer, a outra foi a nossa ponta solta e motivo que nos fará voltar — em breve! Saibam como passámos a última manhã na capital espanhola, antes de partirmos para Toledo, e descubram as muitas peripécias que o pintarem de inesquecível.



O dia amanheceu bonito e sabíamos que o sol nos iria acompanhar durante toda a segunda. Depois de arrumarmos tudo e de fazer o check out, resolvemos explorar a zona da Atocha — já que nos outros dias andámos a cirandar por Malasaña — e descobrimos um sítio muito engraçado para tomar o pequeno-almoço.


Chama-se Panaria e fica situada na Calle de Atocha. É muito do género da nossa Padaria Portuguesa; tem menus gostosos e a um preço muito acessível. Desde o pequeno-almoço, passando por menus de almoço e lanche, há de tudo um pouco e a pastelaria (e restante oferta) é bastante variada.



Tomámos um pequeno-almoço simples e muito parecido com o de cá. Parece que já tínhamos saudades de casa. Meia de leite e croissant com manteiga. Estava muito bom e esta Panaria é uma solução óptima para refeições leves, rápidas e económicas.




Apesar da massificação deste tipo de Panarias, a verdade é que conseguem ter um ambiente descontraído e muito acolhedor, com peças de decoração bem giras e originais. Lá está, um pouco como a Padaria Portuguesa. 

Terminado o pequeno-almoço, estava na hora de irmos dar o nosso último passeio na cidade.



Tínhamos planeado, para este quinto dia na cidade, ir ao Prado e passear pelo Parque del Retiro. Já sabíamos de antemão que o dia iria estar muito bonito (valha-nos o accuweather) e foi só por isso que deixámos o passeio pelo parque para esta segunda-feira.

Ao contrário daquilo que costumo fazer nas outras viagens, em Madrid fui levantando dinheiro à medida que precisava. Depois do pequeno-almoço precisámos de ter algum dinheiro em mão, para as últimas refeições e despesas da viagem, então dirigimo-nos ao Cajero Automático mais próximo. 


Sem dinheiro...e agora?

Ambos os cartões deram erro e não conseguimos levantar dinheiro. Fomos tentar num outro multibanco e nada. Ainda mais um, lá à frente...a mesma coisa. E agora? Só tínhamos 20€ na carteira e estava impossível conseguir fazer operações com os nossos cartões. Um tanto ou quanto em pânico, ligámos para a Caixa Geral de Depósitos e só então nos informaram que era um mal geral; os cartões CGD estavam com erro e todos os clientes fora de Portugal estavam impossibilitados de fazer operações. Um drama, um horror!


Os 20€ que tínhamos na carteira teriam que servir para o gasóleo, por motivos óbvios. Restavam-nos os regalos que tínhamos para a família (entre caramelos e torrão de alicante, deveria servir para nos aguentarmos até chegar a Portugal), meia sandes de presunto e 1,5l de sumo de laranja. E era isto. Claro está que — uma vez que já não sou estudante e teria que pagar 14€ para ver o Museu do Prado — tivemos que deixar esta visita ao museu para uma próxima. Fiquei triste.


Então o que se faz quando estamos em Madrid e sem dinheiro? Simples. Vamos aproveitar todos os cantos e recantos do Parque del Retiro! Estava um dia lindo (estou a tornar-me repetitiva) e a entrada no parque é livre. Há imensas actividades e ainda alguns núcleos de arte que podem ser visitados gratuitamente.



Parque del Retiro

Com mais de 110 hectares, este parque é o pulmão verde da cidade sendo também uma das atracções mais apreciadas por todos. Começou a ser construído em 1630 e, apesar de algumas obras e alterações ao longo do tempo, apresenta hoje em dia vários pontos de interesse histórico e cultural.





Para começar, é impossível ficarmos indiferentes ao Monumento a Alfonso XII, que orna o lago do parque. Uma escultura imponente e trabalhada que nos dá as boas-vindas de forma sumptuosa. Este é um dos pontos mais apreciados, por locais e turistas, que aproveitam para passear pelo Parque del Retiro.




Para além dos monumentos e de toda a natureza que nos envolve ali, há ainda uma série de artistas de rua que trazem nova vida ao parque. Músicos, que tocam de diferentes pontos, que se escondem nos recantos e fazem a música ecoar entre a folhagem. Mágicos, comediantes, bailarinos...há de tudo no Parque del Retiro e isso é tão bom, tão bonito. Diverte-nos e entretém-nos, deixando memórias que serão únicas, para sempre.





É incrível este sítio! 

Tinha guardado recordações bem bonitas do meu passeio por aqui, há cinco anos atrás. Na altura era outono então as cores que pintavam o Retiro eram um pouquinho mais quentes — vermelhos, laranjas, amarelos. Agora, em Maio, o parque veste-se de verdes vários e muitas flores. É incrível este sítio. 




Mas uma das coisas que me tinha deixado mais saudades foi mesmo o Palácio de Cristal. Lembro-me de ter ficado fascinada com a beleza deste maravilhoso exemplo da arquitectura do ferro e vidro. E lembro-me também de ter ficado desolada porque, na altura, o palácio estava fechado e não consegui entrar. Lá está: deixo sempre qualquer coisa para fazer numa próxima viagem. Esta foi uma delas.



Palácio de Cristal 

Deste vez estava aberto sim. Cheio de outros visitantes mas aberto. E num dia lindo e com uma exposição bem gira no interior. Desta vez entrei lá dentro e pude contemplar, por fim, como é bonito. Ainda mais bonito. Parece uma redoma de cristal, emoldurada pelas árvores frondosas que a envolvem.




Criado em 1887, o Palácio de Cristal seria uma estufa com o intuito de cultivo ou manutenção de plantas exóticas. Um dos arquitectos responsáveis pelo projecto foi Ricardo Velázquez Bosco, um dos grandes nomes do estilo eclético. Hoje em dia o Palácio de Cristal está ligado ao Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia e apresenta, ao longo do ano, várias exposições de arte.




Neste momento, até dia 2 de Outubro, podemos visitar a exposição de Damián Ortega: El Cochete y el Abismo. Uma crítica bem construída à sociedade dos dias de hoje, curiosamente inserida num edifício dos tempos de outrora. Em toda a exposição há sempre um paralelismo com a arquitectura e isso acaba por ser fascinante.



Queríamos ir almoçar a Toledo então tivemos que nos despedir de Madrid. Foi custoso, sobretudo para mim. Gosto mesmo desta cidade e logo agora que estavam a ficar uns dias de sol tão bonitos...! Mas havemos de voltar, isso tenho a certeza. 

Ainda vos voltaremos a falar de Madrid, para partilhar convosco várias dicas e sugestões. E depois, quem sabe, um artigo sobre o passeio em Toledo, que tal?

2 comentários

  1. Como eu adoro estes teus posts, Sara! <3 O meu irmão foi a Madrid este fim-de-semana e já o fiz seguir os teus conselhos ahah :) btw, os teus posts sobre Paris serviram-me de guia - o Frenchie to Go é tão booom :p

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. Madrid está nos meus próximos destinos, gostava imenso de conhecer a cidade. Obrigada pelo guia, as fotos estão perfeitas como sempre =)
    Rita**

    ResponderEliminar