Social icons

Pois, Café

06 abril 2016

Ali mesmo, ao pé da Sé. Este foi um lanche entre amigas, numa quarta-feira muito parecida com a de hoje. Cheirava a primavera, estava uma dia bonito de sol e nós queríamos tomar um refresco, parar por cinco minutos (que nunca o são, só cinco, na verdade) e recarregar energias para continuar a semana. Por isso resolvemos ir explorar a zona da Sé de Lisboa — que é muito bonita — e demos com este espaço. Pois, Café.



Há quanto não são turistas na vossa própria cidade?

Os registos* não são de agora, mas acredito que vêm em boa-hora. Eu não conhecia este espaço, por isso foi uma verdadeira surpresa. Vivo a 17 minutos de comboio do Cais do Sodré. Nem mais, nem menos. Por isso é fácil para mim ir à Baixa sempre que quiser. Mas, como em tudo na vida, as facilidades por vezes demovem-nos das vontades. Há quanto não são turistas na vossa própria cidade? A proximidade faz com que dissesse várias vezes "vou lá para a semana" ou "tenho tempo de ir lá depois" e no fim de contas, vamos a ver e há tanta coisa que não conhecemos — na nossa própria cidade!

*uma diferença abismal, ver as fotografias feitas com a antiga lente!



Por norma — e porque, efectivamente, não somos turistas — não é nosso costume frequentar os espaços nas zonas mais turisticadas. Isto é, nunca iríamos almoçar naqueles restaurantes da Rua Augusta, com senhores indianos a prometerem oferecer-nos o melhor da cozinha portuguesa (pois!). Nada contra, pelo contrário. Mas, quer dizer, se aquilo nem para os turistas é bom, imaginem para nós?


Também a zona da Sé é bastante turística (e hoje está pejada de tuk-tuks, um terror) e pensávamos que por lá todos os sítios eram muito caros e de pouquíssima qualidade. Engano. Grande engano. Ficámos desarmadas quando entrámos neste Pois, Café. Curiosamente, não é português e quem nos serve tem um sotaque bonito. Mas é um espaço tão agradável, tão cheio de tudo, que nos faz sentir em casa.



Entrámos para lanchar e saímos de lá rendidas. Pedimos um brownie de chocolate e nozes, com toque de lima e chantilly — a dividir (porque a dividir as calorias não contam, sim?) — e dois sumos naturais. Creio que era uma limonada da casa, com hortelã e água gaseificada, e uma limonada de frutos de vermelhos, com um toque de laranja e sprite.



O brownie era absolutamente delicioso e grande o suficiente para partilhar. Os sumos eram óptimos e o toque da água gaseificada dava-lhes logo outro destaque. Mas igualmente bom era o espaço. Característico e cheio de personalidade, com mil e um detalhes diferentes que nos divertem a vista. Uma amálgama de objectos, cores, formas e texturas que fazem deste Pois, Café um dos espaços a conhecer em Lisboa.




Ouvi dizer que os brunches eram deliciosos e que os almoços eram animados e muito em conta. Só sobram, por isso, bons motivos para visitar e conhecer este espaço, tão bem localizado, já ali, ao pé da Sé. Por isso, vamos ser turistas na nossa cidade?

Pois, Café
Rua São João da Praça
Todos os dias, das 10h às 23h

14 comentários

  1. Qual é a lente que usavas e a que usas agora? (:

    ResponderEliminar
  2. Que sítio lindo! As tuas fotografias são sempre tão bonitas, dá gosto vir ao teu blogue.

    Marli, do My Own Anatomy ✫

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coisa boa, ler as tuas palavras :) obrigada*

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Ainda não conheces Diogo? É um espaço muito gostoso :)

      Eliminar
  4. Esse café é lindo! Só fui uma vez mas fiquei fã :) Lisboa tem imensos espaços fantásticos, consegue surpreender sempre. Tenho tantas saudades de aí morar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, tens que voltar, nem que seja para nos visitar :)

      Eliminar
  5. Ainda ontem falávamos disso. Já há muito tempo que não somos turistas na nossa cidade. Esta publicação só veio aumentar o saudosismo. Temos mesmo que tratar disso! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meninos, este fim-de-semana está na hora de aproveitar então :)

      Eliminar
  6. Porque não me levas para estes passeios hum??

    ResponderEliminar