Social icons

Oh, Porto #1

04 janeiro 2016

O apartamento. Começa assim esta partilha dos nossos últimos dias de 2015, passados no Porto, à semelhança do ano anterior. Desta vez resolvemos explorar uma nova zona da cidade e acabámos por escolher um pequeno apartamento na Rua da Cedofeita. Adorámos. Tudo. A zona, a rua, o apartamento, os dias mágicos que ali vivemos. Foi a nossa casa durante três dias e por ser novidade gostaríamos de começar esta série por aqui, pela Rua da Cedofeita. Curiosos?


A nossa opção recaiu no site e app airbnb. Sabemos que é onde encontramos os apartamentos e lofts mais bonitos e bem localizados. E se, por norma, nas grandes viagens ao estrangeiro esta opção acaba por não compensar (ou porque a casa-de-banho é partilhada, ou porque não tem pequeno-almoço incluído), em viagens cá dentro é sempre a melhor opção. Isto porque acabamos por encontrar apartamentos de sonho — daqueles onde gostaríamos de viver um dia — a um preço super simpático e muitíssimo bem localizados.


Outra (enorme) vantagem neste tipo de turismo é a ligação que se estabelece, quase de forma automática, com a pessoa que nos disponibiliza o seu espaço. Acabamos sempre por criar uma espécie de empatia, mágica, com quem tão bem nos recebe. Através do airbnb esse contacto acaba por ser um pouco mais intensificado, uma vez que a reserva é feita com antecedência, directamente ao proprietário, e desde então que nos mantemos ligados.


Art&City. É assim o nome do pequeno apartamento acolhedor, no nº342 da Rua da Cedofeita. Os nossos anfitriões foram um casal muito simpático e acessível, que se prontificou a ajudar-nos naquilo que precisássemos, facilitando a nossa estadia de tal forma que nos sentimos — literalmente — em casa. O Marco e a Carla foram incansáveis e tornaram esta experiência ainda mais maravilhosa.


O apartamento fica localizado num palacete classificado do século xɪx , recentemente restaurado, numa das ruas mais emblemáticas da cidade. Já tinha ficado enamorada quando o vi no site mas confesso que chegar lá foi o derradeiro rendimento: mudava-me para lá em dois tempos, sem pestanejar. É lindo!


Chegámos à Rua da Cedofeita sem grandes problemas, depois de um almoço demorado e pela saudade encorajado, no Capa Negra. Aquelas francesinhas são assim (...) qualquer coisa de muito bom. Mas adiante; estacionámos igualmente bem — apesar de termos ficado um pouco preocupados com a questão do parquímetro — e fomos directos para o nosso apartamento. Recebidos entre sorrisos e cortesias, pela Carla, ela apresentou-nos o prédio e o loft. Eu fiquei impressionada com a grande escadaria e a magnífica clarabóia, no topo das escadas. A luz era mágica.




E se o acesso já me tinha fascinado, assim que a Carla nos abriu a porta senti que estava num pequeno quarto de princesa. Ainda cheirava a novo. Foi-nos dito que algumas das peças tinham sido restauradas pelo próprio Marco, que o tinha feito com todo o carinho e atenção. E são esses pequenos pormenores que se destacam, que nos ressaltam à vista. Afinal, era evidente que tudo ali tinha sito pensado ao detalhe e que este Art&City era fruto de um prazer imenso em receber. E receber bem.




O apartamento, que se assumia como um open space, tinha no entanto as várias áreas bem definidas. À entrada tínhamos uma pequena ante-câmara onde encontrávamos, do lado esquerdo, uma casa-de-banho ampla e totalmente equipada. Um bengaleiro num pequeno recanto estabelecia a passagem entre a rua e a casa, dando então lugar à zona de dormir.



Ainda falando da casa-de-banho, posso dizer-vos que tinha todas as comodidades essenciais, como toalhas, secador de cabelo, champô, gel de banho e sabonete. Era ainda bastante generosa, em termos de área e a banheira era grande e óptima; uma plataforma grande mas perfeitamente isolada, sendo que não molhávamos meia casa-de-banho, como por vezes acontece (e eu detesto!).





A zona de dormir também era igualmente ampla e, embora bem iluminada, estava um pouco mais resguardada por causa da meia parede que dividia esta área e a cozinha, a parte mais junto à janela. Ou seja, apesar de o apartamento ser considerado um T0 a verdade é que as várias zonas estavam perfeitamente marcadas e isso tornava-as mais aconchegantes.



O apartamento está, efectivamente, muito bem restaurado mas o que lhe dá tanta personalidade é mesmo a decoração. Um equilíbrio entre vários estilos e vertentes, onde peças de diferentes formas, materiais e texturas, resultam na perfeição aquando combinadas. Tanto podíamos encontrar uma cama antiga, restaurada, que fazia par com o tocador amoroso, também restaurado, como logo ao lado encontrávamos uma mesa de cabeceira em latão com candeeiros em vidro, muito anos 80, como do outro lado tínhamos uma colecção giríssima de pratos vários, pendurados na parede.



E se tínhamos um caixote em madeira do vinho do porto a servir de mesinha de apoio, com um aspecto tosco, rústico, artesanal, do outro lado tínhamos uma cozinha desenhada em traços modernos, linhas horizontais, branco e mármore. 





A cozinha estava, à semelhança da casa-de-banho, igualmente equipada. Uma vez que o apartamento servia a quatro pessoas — o sofá junto à televisão era um sofá cama — haviam peças e utensílios suficientes para a capacidade total do apartamento. Não faltavam pratos, talheres, copos, canecas e chávenas. O frigorífico era bastante generoso e a bancada (linda, em mármore) grande. Uma placa de fogão, com exaustor e um micro-ondas permitiam que se cozinhasse e vivesse muito mais (e melhor) a casa.




A minha parte favorita da casa foi a zona de refeições. Pintada em tom azul-água e adornada com cactos e peças vintage, era a área mais iluminada por estar adjacente às grandes janelas, que davam acesso a uma varanda comprida e aconchegante.



Acabámos por aproveitar o apartamento mais do que julguei. E não me importei. Pelo contrário. Adorei. Jantámos sempre por lá, das três noites que passámos no Porto e foi uma delícia. Desta vez, ao contrário das duas primeiras, fomos num registo mais calmo, tranquilo, descansado. Queríamos passear a aproveitar para conhecer outras coisas, mas também queríamos parar um bocadinho, acalmar a agitação da rotina dos últimos meses. E por isso, jantar em casa — fora de casa — nunca nos soube tão bem.



Assim sendo, ao contrário de outros passeios — onde alugamos quarto ou apartamento somente para dormir e passar a noite — desta vez acabámos por aproveitar muito mais a casa que foi nossa, durante três dias. E isso deu-nos o vislumbre de como seria a nossa casa, um dia. Uma casa pequenina, acolhedora, cheia e amor. E gargalhadas. Muitas. É bom poder sentir isso, enquanto não temos a nossa própria casa.



Resumindo e concluindo: a primeira partilha dos últimos dias de 2015, pelo Porto, teria que ser sobre o apartamento que tão bem nos recebeu e que nos encheu o coração. Um pequeno loft, situado no primeiro andar do nº 342 da Rua da Cedofeita, numa zona calma e tranquila, com todas as condições necessárias a uma estadia prolongada e agradável. 

Com uma decoração super engraçada e uma varanda adorável, esta é uma óptima opção se gostavam de ir ao Porto, sem gastar muito dinheiro. Por norma, uma noite neste apartamento custa 35€ e se tivermos em conta que alberga quatro, daria cerca de 8,75€ por pessoa. A juntar a isto, ainda temos a facilidade de poder cozinhar em casa (há um Pingo Doce a poucos passos de distância e uma pizzaria maravilhosa — sobre a qual falaremos mais tarde — mesmo em frente ao prédio).



Para além de tudo, a Rua da Cedofeita está repleta de sítios bonitos, como a Maria Bôla ou a Oficina - Café Criativo. É claro que partilharemos alguns detalhes desses dois espaços em publicações futuras. Outra coisa (muito) boa em termos ficado naquela zona — e naquele apartamento em particular — é que a Carla deu-nos logo o contacto de um sítio onde pudemos deixar o carro, com a tarifa diária de 4€. Foi o melhor preço que encontrámos (outros pediam 8€, por exemplo) e deixar na rua seria não só dispendioso (1€ a cada duas horas, que era o tempo máximo que se podia por no parquímetro) como um pouco arriscado. Estar a tirar o carro na altura das festas do ano novo seria suicídio e assim ficámos descansados que o carro ficou bem estacionado e nós pudemos calcorrear a Invicta a pé, como gostamos. 

Amanhã trazemos os detalhes do nosso primeiro dia na cidade, com um lanche na Maria Bôla. Encontramo-nos por aqui?

10 comentários

  1. Que maravilha! E que fotos lindíssimas! Um dia tenho que pensar em passar férias na minha própria cidade,e está visto!!

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. Posso mudar-me já para esse apartamento?! É lindo.

    ResponderEliminar
  3. Oh, que detalhes bonitos e inspiradores Sara!!
    Ando a ansiar por uma visita ao Porto já há algum tempo e penso que estará para breve; já espreitei a tal plataforma e fiquei com muito boa impressão! Torce por mim :)

    ResponderEliminar
  4. Eu vivi no mês de Novembro no Porto nessa zona e fiquei completamente apaixonada pela cidade, e já morro de saudades. Estava ansiosa por este post e agora fiquei com vontade de correr para o Porto e ficar nesse sítio lindo.+_+

    beijinhos
    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Que espaço maravilhoso! Adoro casas assim, que privilegiam os tons claros, os detalhes e a luz natural :)

    ResponderEliminar
  6. Como sempre, fotos deliciosas e descrições com informações pertinentes. :) O Porto é uma cidade incrível e apesar de estar aqui já um passinho, não o visito tantas vezes como deveria.

    ResponderEliminar
  7. Gosto tanto do Porto! Estas fotografias só me dão vontade de voltar lá muito brevemente :)

    | INDIGO LIGHTS

    ResponderEliminar
  8. Acompanhei a viagem através do teu instagram e adorei cada fotografia deu mesmo vontade de ir! Também tenho um blog e quero investir numa máquina fotográfica para poder tirar fotografias com mais qualidade para o blog, ainda estou a escolher a melhor e para isso gostaria de saber qual a câmara que usa? Desde já muito obrigada!

    http://amiudablogger.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. O apartamento é incrível :) apetece ir para lá morar principalmente para quem é do Porto!
    Será que podia explicar onde é o parque de estacionamento que falou? muito obrigada :)

    ResponderEliminar
  10. Que pena já termos marcado o nosso espaço para ficar no Porto, mas este ficou na Wishlist para uma próxima visita, eheheh. Adorei Adorei a casa!

    Meio Cheio

    ResponderEliminar