Social icons

blogger e uma hora

17 janeiro 2016


E agora? Uma das coisas que me tem acontecido muito, já nos últimos tempos (isto sou eu a ser simpática, porque "por tempos" deve-se entender "nos últimos dois anos") é a falta de tempo. Por vezes não tenho nem uma hora. E agora?, perguntam-me vocês —  e pergunto-me eu, também. Sinto que ao ser blogger (que presunção, da minha parte [...] eu, blogger?) deixei de ser leitora. Relacionam-se com esta afirmação? Sabem do que vos falo?

É uma consciência que tenho vindo a adquirir ao longo do último ano, sobretudo. Reconheço que o blog cresceu e agora começa a trilhar o seu próprio caminho, aliando-se a nomes e marcas com os quais me identifico. 

É um espelho sincero da minha vida, pessoal e profissional — onde partilho os sítios que gosto, os produtos que uso, as viagens que faço... — de uma forma sistemática, envolvente, empática. Criamos laços com os projectos, convosco leitores e seguidores (outra presunção, da minha, parte, achar que tenho seguidores!) e com este mundo cibernáutico. Começamos a sair com outras bloggers, a comparecer em eventos onde conhecemos muitas pessoas e se há um ano atrás nunca sonharia conhecer A ou B, hoje posso afirmar de peito cheio que não só conheço como considero A uma pessoa maravilhosa e B aquela amiga fantástica, que depressa saltou do cenário virtual para a minha vida, num ápice. 



É um mundo curioso e dinâmico este, o dos blogs. 

Mas há um aspecto que me anda a consumir, desde então. Desde que passei a dedicar mais tempo ao blog, aos seus projectos e compromissos, sinto que deixei de ser leitora para ser (somente) escritora. E não me posso esquecer que foi o ser leitora de blogs que me fez querer escrever um blog. Ora se essa relação foi, por base, o ponto de partida para a existência deste blog, porque razão deixei de ter tempo para ler os blogs que gosto? 

É neste sentido que se prende o meu desabafo; queria deixar aqui expressa a promessa de nunca me esquecer que foi como leitora que comecei a ser blogger — e leitora continuarei a ser. 

Já conheci quem mantivesse um blog privado e afirme que escreve só para si. Para isso tem um diário em papel, como a Bridget Jones,pensei eu. E depois há quem escreva para o mundo — ou para duas pessoas. Mas o que importa? Importa é saber que alguém se identifica, que se inspira com as nossas partilhas. 

Hoje em dia, com o boom de blogs que surgiu, é difícil de acompanhar todos. E eu acredito que hajam muitos e bons blogs espalhados por aí, caiados de anonimato e sem projecção. 



Não sou blogger — por muito que custe parecer, ao ler este texto. Sou designer. E tenho um blog. Que não passa de um hobby. Mas, como em muitas outras coisas na vida, se tivermos sorte, conseguimos manter um hobby que nos dá muito prazer. Se tivermos muita sorte conseguimos dedicar-nos somente a esse hobby e torná-lo numa profissão. Mas não é isso que anseio. Pelo menos para já. E por enquanto, espero que este meu hobby se cinja somente a isso mesmo: um passatempo maravilhoso, que me permite ser escritora do meu próprio livro (sendo que não sou escritora de coisa nenhuma e o livro nada mais é que este meu diário pessoal), fotógrafa do meu próprio trabalho (e de fotografia percebo pouco e trabalho não o é, já que o faço com prazer), crítica gastronómica (que vale o que vale), aspirante a editora de beleza (um mundo que desconheço e tudo o que publico é apenas a opinião sincera e despretensiosa de um ou outro produto) e uma série de outras valências que, de outra forma, jamais poderia explorar. 

Quando me perguntam, animo todo o mundo a que crie um blog (já disse que a Joaninha devia começar um blog, ouviste Joana?), pois eu adoro escrever no meu. É uma forma de expressão, é uma alavanca e é um hobby óptimo para nos inspirarmos e irmos buscar inspiração. Jamais o encararia como aconchego ao ego — embora não negue que fico sempre com um sorriso enorme quando leio as vossas palavras bonitas e comentários tão especiais. É óptimo saber que aquilo que escrevo ou partilho anima e inspira quem por aqui passa. 



Por isso hoje, queria agradecer a quem lê as minhas tontices, a quem elogia as minhas fotografias, a quem não desiste de ser leitor. A vocês, leitores do Little Tiny Pieces, que estão desse lado: um eterno obrigado! 

Junto a este agradecimento sincero e desabafo honesto a promessa já em cima referida: vou organizar-me para poder continuar a ser leitora, para tirar um serão e actualizar-me de todas as coisas bonitas que partilham, para deixar o meu comentário e incentivo.

Afinal, se deixarmos todos de ser leitores para ser apenas bloggers, o que nos resta?

13 comentários

  1. Obrigada, Sara! Por manteres este teu cantinho onde venho assiduamente na esperança de encontrar um artigo novo, cheio de fotografias inspiradoras e palavras bonitas que documentam uma nova experiência tua/vossa. Lê muito. Não deixes mesmo de ser leitora. Como disseste e muito bem: foi o ser leitora de blogs que me fez querer escrever um blog. E, para mim, foi o ler blogs como o teu que me fez querer escrever um blog. Ah! E és uma blogger, pois! Designer por vocação, blogger por paixão, right? Parabéns pelo teu trabalho :)

    ResponderEliminar
  2. Olá minha querida,

    Percebo o que dizes pois todos vivemos com falta de tempo mas gosto sempre de passar por aqui e ver os teus posts tão inspiradores!

    Um grande beijinho,

    Carmen

    ResponderEliminar
  3. Por acaso ainda consigo manter a leitura de outros blog na minha rotina. Possivelmente porque o meu blog ainda não é muito grande e não pede tanta manutenção como blogs maiores pedem. Seja como for, ler blogs é algo que me dá imenso prazer. Sinto que me incentiva a crescer no meu próprio espaço.
    Espero que em breve consigas arranjar um espacinho para retomar a leitura dos teus favoritos!

    Marta Rodrigues, Majestic

    ResponderEliminar
  4. Percebo o que dizes em tudo. Não me considero blogger, tenho um blog como hobbie sei que poderá ter os dias contados dependendo do meu futuro e já sobreviveu a algumas épocas complicadas e manteve-se. Comigo passa-se o contráio, houve uma altura que quase desistia mesmo do blog e além de escrever deixei de ler de estar mais perto das novidades e do que se ia passando. Aliás nessa altura foi uma das coisas que me obrigou a voltar: obrigar-me a estar mais atenta ao que se ia passando.

    Beijinhos e muita força. Adoro o teu blog :)

    ResponderEliminar
  5. Como compreendo.

    Há anos criei um site e comecei a escrever sobre um desporto. Rapidamente percebi que, quanto mais escrevia, menos tempo tinha para ler e, logo, informar-me. Assim, quanto mais tentava informar outros, menos me informava. Que grande contra-senso.

    Há que procurar um balanço entre o que escrevemos e o que lemos, sendo que o tempo de um come o tempo do outro.

    Beijinho

    Rui Quinta, (Na Brevidade)

    ResponderEliminar
  6. Nós estamos a celebrar o nosso primeiro aniversário cá pelo mundo da blogosfera e já percebemos tão bem o que dizes... É difícil ter tempo para tudo. Mesmo sendo um hobbie, um blogue dá imenso trabalho. Não o fazemos como obrigação, mas sim por gosto. No entanto, achamos certo que quem inventou a expressão "quem corre por gosto não cansa" nunca trabalhou de facto... É cansativo e é difícil ter tempo para ler e escrever e tudo o resto que abrange... Mas é muito gratificante quando o conseguimos! Aliás, para nós, o melhor da blogosfera é mesmo a partilha!

    ResponderEliminar
  7. Percebo-te tão bem. Isso de tentarmos ser "bloggers" e leitores ao mesmo tempo, tem sido também um desafio para mim. É obvio que o blog também é um hobby no meu caso, e pretendo que seja assim sempre. Porque se ele se torna-se mais que isso, perderia a sua graça, penso eu.

    ResponderEliminar
  8. É uma alavanca para mil outras coisas :) <3

    ResponderEliminar
  9. Compreendo bem o que dizes sobre "deixar de ser leitora" quando estamos demasiado envolvidos com o nosso próprio blog. Durante algum tempo achei que estava a passar por isso, mas depois percebi que não; que continuava a ler blogs, mas que tinha passado a fazê-lo de forma silenciosa. Estava tão ocupada que os lia sem dar nada em troca. Então passei a colocar na minha lista de tarefas "comentar blogs".

    Sinto-me melhor comigo mesma, enquanto leitora e enquanto blogger, quando faço este pequeno exercício de gratidão para com quem escreve o que leio e que tanto gosto de ler e ver também (como é o caso do LTPOM). :)

    Joan of July

    ResponderEliminar
  10. O teu blogue está nos meus favoritos precisamente por achar que é escrito sem qualquer tipo de presunção! Gosto sempre de vir cá espreitar as novidades, as dicas, viajar através das tuas fotografias! Tens feito um excelente trabalho! :)

    ResponderEliminar
  11. Já ganhaste uma leitora! O teu blog é lindissimo, tem um sentido de estética muito elevado e cuidado (e ainda só li este post e os de Dublin).
    Acho-te praticamente uma fotografa profissional e fiquei fã. Os meus parabéns!

    ResponderEliminar
  12. Já tinha lido estas tuas palavras mas não tinha comentado... No geral, prefiro comentar menos e absorver mais. Aliás, sinto-me intimidada quando as publicações contam para cima de uma dúzia de comentários. Sinto que as minhas palavras serão apenas mais um número, e não serão lidas com atenção. Sei que aqui é diferente. Sei que mesmo que o teu espaço seja enoorme e que o tempo te falte, tu cuidas bem quem te visita, sinto isso, mesmo que em silêncio.

    Bem, mas eu ao contrário de ti, criei um cantinho meu porque adoro escrever e só de seguida veio a exploração deste mundo dos blogs, onde encontrei sítios muito bons que adoro visitar. Passei de escritora nas-horas-vagas, para leitora sempre-que-possível, e agora sinto uma maior necessidade em agradecer o tempo que quem escreve num blog me oferece, daí que sinta que devo comentar mais, daí que tenha voltado, justamente a esta publicação.

    Não quero ser apenas um número mas quero ser grata e comentar com o coração. Assim será sempre-que-possível.

    Parmim

    ResponderEliminar